24 de julho de 2010

A Filosofia e seus Momentos na história

A história da Filosofia costuma ser agrupada em períodos em que predominaram certos modos de compreender e investigar a natureza do homem.

Abaixo um breve panorama dos principais períodos:

1) Filosofia Antiga: período que vai do surgimento da Filosofia à queda do Império Romano. Tem dois momentos principais: antes e depois de Sócrates.
Pré-socráticos: são os primeiros filósofos que tentavam explicar o mundo de maneira real e não mais mitológica. Queriam encontrar qual (ou quais) seria o princípio fundamental de todas as coisas, chamado arché.
Sofistas: foram os filósofos que propuseram a aplicação prática do saber, trazendo a reflexão intelectual para o âmbito da política, da sociedade e da condição humana ("O homem é a medida de todas as coisas" - Protágoras).
Sócrates: colocou o homem e seus problemas (o que é o bem, a virtude, a justiça e afins) no centro das reflexões filosóficas. Seu principal discípulo (Platão) criou uma teoria segundo existiriam duas realidades: uma inteligível e outra sensível.
Aristóteles: foi considerado o criador do pensamento lógico e estabeleceu, no âmbito da Ética, a compreensão da virtude como justa-medida.

2) Filosofia Medieval: é o período em que houve um sincretismo (palavra originária do grego συγκρητισμός = "coalisão de cretenses" e que significa uma fusão de diversas doutrinas) entre o conhecimento filosófico e as crenças religiosas com o intuito de dar uma explicação racional às verdades reveladas da Igreja Cristã.
Os principais nomes são: Santo Agostinho que redige uma obra monumental sobre o problema da liberdade humana, da verdade interior, das potencialidades da alma e lança as bases para uma compreensão filosófica da história, na sua "Cidade de Deus" e São Tomás de Aquino que sintetiza o cristianismo com a visão aristotélica do mundo, unindo fé e razão.

3) Filosofia Moderna: período que engloba os pensamentos filosóficos do final da Idade Média até o século XIX.

É comum ser dividida em Filosofia da Renascença e Filosofia Moderna.
Filosofia da Renascença: ocorre a retomada de valores clássicos sendo formada por filósofos deste período Maquiavel que escreve sobre como são os Estados e os governos e é considerado o fundador da Ciência Política moderna e o humanista Montaigne que é considerado o inventor dos ensaios, forma de escrita que usou para se compreender e compreender os homens por meio da instrospecção.
Séculos XVII ao XIX: abarca o Iluminismo e décadas anteriores e posteriores a ela onde predominou a valorização da Ciência e da técnica, com explicação mecânica do universo.
Entre os filósofos que se destacaram neste perído estão no grupo Descartes que criou o método que serviu de base para a Ciência contemporânea, com uma visão dualista do homem: mente e corpo.
Em contrapartida, há os filósofos empíristas, que colocaram o primado do conhecimento humano na experiência: a grande referência dessa corrente é John Locke e Kant com sua filosofia criticista que criou uma grande síntese entre o racionalismo e o empirismo.

4) Filosofia Contemporânea: período que abarca meados do século XIX até os dias de hoje e que passa por Hegel e Schopenhauer colocando o primado da existência em um princípio natural irracional e desprovido de finalidade (A Vontade).
Depois Nietzsche problematiza o efeito deletério (que destrói ou danifica) da moralidade cristã e propõe novos valores, diferentes dos seguidos por milênios por nossa civilização platônica-judaico-cristã.
Além dele, citamos a Teoria Crítica de Horkheimer, o Existencialismo de Sartre, a Fenomenologia de Husserl e ideias mais próximas da atualidade como estudos de Foucault sobre instituições sociais.

Revista Filosofia - Nro.48 - "Para uma Filosofia do Futuro"

2 comentários: