25 de maio de 2016

Consciência

Segundo o Dicionário de Filosofia de Nicola Abbagnano, em geral, a possibilidade que tem cada um de dar atenção aos seus próprios modos de ser e às suas próprias ações, bem como de exprimi-los com a linguagem. Essa possibilidade é a única base de fato sobre a qual foi edificada a noção filosófica de CONSCIÊNCIA (uso filosófico desse termo tem pouco ou nada que ver com o significado comum de estar ciente dos próprios estados, percepções, ideias, sentimentos, volições etc., quando se diz que um homem "está consciente" ou "tem consciência", se não está dormindo, desmaiado, nem afastado, por outros acontecimentos, da atenção e seus modos de ser e a suas ações) onde Platão e Aristóteles, que não tiveram este segundo conceito, conheceram e descreveram o primeiro. [p.217]

Pois bem, partindo do princípio que Filosofia não é só “amor à sabedoria”, mas a melhor maneira de se compreender o que é Filosofia, sem sombra de dúvida, é perguntarmos pelo seu modo peculiar de proceder, sem nos preocuparmos tanto com o que ela estuda ou o que ela é, mas como faz sua
investigação, Emmanuel Fraga afirma que podemos constituir análises racionais e rigorosas do que vem a ser a Filosofia: um esforço interminável de fundamentar ideias.

A forma mais errada de julgar o exercício do filósofo é aproximá-lo de uma emissão de opiniões, a doxa ( δόξα)grega, e "achismos", relacionados ao senso comum. A filosofia, ao contrário disso, a todo o momento, tenta afastar as ideias superficiais e preconceituosas em direção às ideias fortes e bem articuladas. É indispensável que o trabalho do filósofo em primeiríssimo lugar seja pela precisão e rigor dos conceitos utilizados e por uma preocupação lógica e clara na exposição dos argumentos.
Isso não quer dizer que todas as obras filosóficas devem ser chatas, difíceis de ler, mas que apresentam algumas características próprias que nos possam diferenciá-las da com a Literatura e de outros escritos.
Esta análise filosófica deve se preocupar com a sua totalidade e não com as partes individuais dos problemas.
Cito como exemplo, para uma maior compreensão, que a sociologia tem por objeto a sociedade; a psicologia, a alma ou psique; a física, os corpos em movimentos e assim por diante, mas todas constituem áreas específicas do saber, que mesmo quando ultrapassam seus limites tem o intuito de solucionar problemas mas continuam limitadas às suas perspectivas singulares por serem ciências.
Lamento dizer, mas isso não acontece com a Filosofia!

O primeiro passo da reflexão filosófica é a suspensão de todo referencial na tentativa de que venha a limitar o caráter abrangente, característico da Filosofia, conforme nos afirma Monica Aiub em seu livro Filosofia Clínica e Educação. Assim, “o filósofo é aquele que tem por obrigação uma visão alargada e razoável do mundo e dos saberes”, sendo, desse modo, o debatedor mais competente dentre os demais, pois é capaz de unir as diversas perspectivas ou perceber seus pontos fracos.
Neste caso, o filósofo seria uma pessoa de mente aberta e de constante preocupação em busca das novas formas de visar os problemas.
Agora, se o filósofo pretende refletir sobre os problemas e temas relevantes, para que possa construir uma argumentação coerente e com as características anteriormente abordadas, transformará seu pensamento em crítica, ou seja, nas formas anteriores de abordagem da questão, aos sistemas filosóficos que o antecederam, à tradição e tantas outras mais. Essa é a forma mais característica do filósofo proceder, no entanto, não se trata de uma crítica ofensiva, mas um pôr-em-questão, com a finalidade de perceber os limites das teorias vigentes e de apontar novas formas de abordagem.

Seu rigor característico da atividade racional está frequentemente aliado, no exercício filosófico, à ideia de sistematização. É indispensável na exposição de argumentos, além da clareza e precisão, que o filósofo reflita e demonstre de modo sistemático seu o raciocínio.
Um conjunto confuso e superficial, com ausência de encadeamento lógico, desqualifica um trabalho que pretende ser filosófico.

12 de maio de 2016

Poder e política

No pensamento político grego, os conceitos são utilizados ainda hoje no que se diz respeito ao pensamento politico.
Existiu uma política grega com estrutura em diversas cidades independentes - invenção da democracia - onde a forma de governo envolvia problemas, geravam ideias e atravessavam séculos.
Ideias de Platão e Aristóteles permeiam até hoje onde um fato que pode parecer curioso é que esses dois filósofos que viveram em Atenas fizeram críticas a esta política de governo, mesmo vivendo sob ela.
Uma coisa interessante na política grega é que ela tematiza como deveria ser tal política e não como era. Coisa que hoje em dia a minoria questiona.


Platão: a democracia não é uma boa forma de governo; os melhores e capazes deveriam governar a cidade ao contrário do que acontece na democracia - qualquer cidadão pode ser eleito e assumir o governo mesmo sem preparo ou capacidade para isso.
Aristóteles: não considerou a democracia a melhor forma de promover o bem comum; classificou boas formas de governar e mostrou que elas podem dar resultados em forma de corromper o governo; governo bom não é aquele composto por uma única ou várias pessoas, mas sim os que tem capacidades adequadas.
Voltemos no tempo um pouco: 2001, Estados Unidos, ataque terrorista contra as Torres Gêmeas.
Discurso político defendendo a democracia como valor universal e afirmou que todos os países deveriam ter o governo democrático - sendo o melhor para o mundo!
Tom Zé problematizou isso na música "Companheiro Bush":

Se você já sabe quem vendeu aquela bomba pro Iraque, desembuche!
Eu desconfio que foi o Bush! Foi o Bush.
Onde haverá recurso, para dar um bom repuxo, lá no companheiro Bush?
Quem arranja um alicate, que conserte aquela fase ou corrija aquele fuso?
Talvez um parafuso, que tá faltando nele, melhore aquele abuso!
Um chip que desligue, aquele terremoto, aquela coqueluche.

O episódio e a crítica presente nesta canção nos envolve a um dos problemas humanos mais importantes: a vida em comum e as relações que travamos com nossos semelhantes - administração dos interesses de uma comunidade.
Política... Polis grega.
Muitos acreditam que os cidadãos precisem participar mais com o voto na época das eleições, mas será assim mesmo?
Pensemos na política de forma mais abrangente e participativa, agindo politicamente quando nos relacionamos com as pessoas com as quais convivemos, afinal, somos nós quem colocamos os governantes lá. Ou não?



No livro O príncipe de Maquiavel, há pessoas que veem ali a defesa de um governo forte e que só centraliza as coisas. Um conjunto de "conselhos" para um governante sobre como proceder para conquistar poder e mantê-lo. Para outros, mais que dar "conselhos" a um governante, chama atenção do povo para os perigos e tragédias de um tirano. Maquiavel relata como os principados se organizam e dá uma série de eventos que um autentico governante tem para mantê-los e conservar um território.
Para mim, isso nada mais é que a competência e capacidade de governar: saber ler e interpretar a história, identificar o momento oportuno para sua realização, aplicar o poder com ponderação; não seguir regras absolutas e sim ser fiel ao espírito político do momento.
Maquiavel é um constante diálogo entre o passado e o presente: procura nos clássicos antigos a inspiração para pensar o presente: virtude (virtú - capacidade do governante em lidar com acontecimentos) e fortuna (sorte - conjunto de tudo o que acontece aos seres humanos e que eles não podem controlar).
Com a democracia, as palavras maquiavelismo e maquiavélico tornaram-se pejorativas. 
Na política, maquiavelismo é algo a ser evitado, mas, Maquiavel se mostra como efetivamente SEMPRE no poder.

5 de maio de 2016

Raciocínio ponderado

O que a gente aprende primeiro devia ter acontecido antes. Esta afirmação é verdadeira ou não?
Vamos refletir sobre isso, ok?

Uma vez, quando lecionava como professor eventual em um colégio perto de casa, fui substituir um colega que havia faltado. Aritmética.
Todos sabem como abomino números, cálculos, matemática no geral - talvez, por este motivo, tenha escolhido a graduação em Filosofia e minha nota de Lógica Aristotélica tenha sido a mais baixa.
Bem, voltemos a aula de aritmética.
Esta eu bem lecionando sobre seno, coseno, equação de primeiro e segundo graus e afins e um aluno questiona: "Professor, quando é que vamos precisar usar isso na vida real" e eu sem titubear: "NUNCA!"
Silêncio mortal na sala e todos que estavam copiando, olharam para minha pessoa.
Eu, que estava sentado, dei os 15 segundos para todos deglutirem a informação e continuei "talvez vocês nunca precisem destes fatos, números ou problemas mas a verdadeira lição que devem tirar dessa aula é o empenho, a cooperação, a flexibilidade, a superação, a reflexão crítica e principalmente a capacidade e desenvolvimento ímpar em resolver problemas".
Estas são as habilidades REAIS e FUNDAMENTAIS que vão precisar no dia a dia.
Resultado: conquistei a sala toda e somos "amigos" de redes sociais, blogs, e-mails até hoje.


Lutar para superar seus desafios é o que mais importa.
Num teste de 10 palavras com a dinâmica é um ditado onde você ganha 2 pontos para a grafia correta, cinco pontos para a definição acertada e três pontos por usar a palavra em uma frase que demonstre a compreensão do sentido em um contexto, não há como chutar. Ou se sabe, ou cai fora.
Horácio, poeta romano de 65-8 a.C., afirmou que a tarefa de um poeta é deletar ou instruir para tanto devemos reservar nossa maior distinção para aqueles que conseguem atingir os dois objetivos ao mesmo tempo, ou seja, DELETAR o que não serve e INSTRUIR no sentido de absorver o que realmente vale a pena para continuar.
Ensinar, é uma arte. Arte da explicação onde se apresenta uma informação certa, na ordem certa, de forma que fique tatuado.
O que é uma tatuagem?
É algo que você crava em sua pele porque AMA de uma forma que só você a tem.


Embora eu tenha me formado em Filosofia e feito uma pós na compreensão do ser humano, amo ser professor.
Paideia, do grego παιδεία é um sistema de educação e formação de todo o homem grego onde se inclui muito a ética além da ginástica, gramática, retórica, música, matemática, geografia, história natural e FILOSOFIA, ou seja, desde pequenino o homem grego PENSA!
Hoje quem pensa é idiota! Ou tonto! Ou radical! Ou resistente...
Platão pensou que a essência de toda a educação (paideia) é que dá ao homem o desejo e a vontade de ser um cidadão perfeito ensinando-o a mandar e obedecer tendo a justiça como fundamento primordial.
Enfim, a vida nos proporciona um plano muito melhor do que aquele que a gente prepara. Embarque nesse plano (ou oportunidade se assim achar melhor qualificar) porque o tempo... Ah, o tempo! Esse elabora com calma o dever de casa a partir de lições que felizmente estão em movimento mas ele é arrebatador.