30 de agosto de 2016

Progresso? Evolução? Educação?

Ouço muita gente falando sobre progresso. Mas o que é PROGRESSO?
Seria uma palavra vazia?
Seria uma palavra sonora?
Seria uma palavra usada na boca dos materialistas?
Tem um sentido determinado?
O homem não discerniu ainda o verdadeiro sentido dessa palavra. Não sente qual o real peso dela. Muito menos consegue se dissipar para o mistério que o cerca com relação a progresso.


Fé no progresso é sinal de fé no futuro!
Uma civilização que não engrandece torna uma sociedade estagnada num pensamento cada vez menor no que se diz respeito a renovação.
A ideia é mãe da ação, ou seja, só quando se tem vontade de realizar a plenitude - cada vez melhor, cada vez maior - se pode conduzir algo para seu cume.
Todos sabemos que o Universo é regido pela lei da evolução e isso deve ser entendido como progresso.
A tarefa a ser cumprida é imensa, a educação do homem deve ser refeita urgentemente e nem Universidades estão em condições de desenvolver este papel, pois não possuem síntese suficiente para esclarecer qual a marcha das novas gerações para se evoluir conscientemente.
Enquanto se trata de destruir os restos do passado, de dar o último golpe se privilegiando com algo, a Democracia serve-se de seus meios agindo sem que se perceba o que acontece hoje.
Nenhuma obra humana é grande e finita sem inspiração, teoria e prática, pois tudo é concebido e edificado fora das leis que se fundam em areia desmoronando a cada dia.
A evolução é gradual e progressiva onde é fundamental que se tire tudo da Natureza, observando qual a razão dos homens existirem, qual o sentido de fazerem o que costumam fazer e substituir coisas supérfluas por movimentos mais positivamente humanos.


O professor Raoul Picket afirmou que "esses pobres moços admitem que tudo quanto se passa no mundo é efeito necessário e fatal de condições primárias, em que a vontade não intervém; consideram que a própria existência é, forçosamente, joguete da fatalidade inelutável, à qual estão entregues de pés e mão ligados e que esses moços cessam de lutar logo às primeiras dificuldades, já não creem em si mesmos e tornam-se túmulos vivos, onde se encerram, promiscuamente, suas esperanças, seus esforços, seus desejos, fossa comum de tudo o que lhes fez bater o coração até ao dia do envenenamento, tendo visto desses cadáveres diante de suas carteiras e no laboratório, e tem-me cansado pena vê-los."

A PERTURBAÇÃO E A INCERTEZA QUE SE VERIFICA NO ENSINO REPERCUTEM E SE ENCONTRAM NA ORDEM SOCIAL INTEIRA.