26 de abril de 2017

Centenas de conhecidos. Poucos amigos.

Teste: fique doente ou desempregado.

Fracasso, dor, doença não é sinal de amizade.
Se você afirmar para alguém "estou bem, nunca ganhei tanto dinheiro, estou amando e sendo amado, estou fazendo um sucesso imenso e vai melhorar" e olhar para os olhos desta certa pessoa você verá se ela é seu conhecido ou seu amigo simplesmente pelo semblante e expressão dela.

Amigo sorri e se emociona com este sucesso.
Conhecidos dirão "é? nossa! que exibido. isso passa."

Quem se incomoda não gosta de você. Quem se incomoda com isso concorre com você e não tolera o seu sucesso.

O conhecido age como coadjuvante em nossa história e o amigo age como protagonista.
Verdadeiros amigos não precisam estar conectados à você através de redes sociais; não precisam estar em seu dia a dia; eles se decepcionam com suas mudanças mas procuram entendê-las e respeitá-las; eles não te cobram nada, mas te dão sem pensar e terão o retorno disso de volta; eles nem sempre poderão lhe auxiliar, mas nunca deixarão de tentar.

Comece aprendendo a diferença entre LAÇO e NÓ: quiçá um dia compreenderá coleguismo e amizades!



16 de abril de 2017

O que se leva dessa vida é a vida que se leva

Você já parou para pensar o quanto somos cobrados diariamente?
Tirar notas boas.
Passar de ano.
Ingressar em faculdade exemplar - de preferência gratuita porque acreditam ser as melhores.
Procurar um curso de dê status.
Conseguir um bom emprego e remuneração excelente.
Curriculum? O melhor!
Ganhar mais ou igual a seus amigos.
Namorar com alguém bacana...

Aos 20 anos de idade você deve ser o melhor em tudo, independente do que tenha que fazer para conquistar isso.
Estudar - trabalhar - ganhar dinheiro - morrer.
A vida se resume a isso?
Sai fora...

Trabalhei em empresas boas? Claro! Estudei em lugares bacanas? Com certeza. Mas também pulei de paraquedas, fui para Europa, namorei, falo sozinho, acordo a hora que quero, faço trabalhos voluntários, mochilei por 40 dias em São Sebastião, Boissucanga, Prainha, andei de trem quando os bancos eram de madeira - SP/Brotas - com meus avós, pulei carnaval e segui a banda do redondo nos anos 90, fui roubado... Isso não é experiência?

Ah, não. Se não constar no curriculum não vale.

Não somos:
1. nossos curriculums.
2. nossas empresas multinacionais.
3. o salário que recebemos.
4. as pessoas que conhecemos.
5. os chefes que temos.
6. o mundo corporativo que vivemos.

Somos:
1. o que vivemos.
2. os lugares que vamos.
3. os livros que lemos.
4. as árvores que plantamos.


Louco é quem está preso no trânsito ou passa 5h para descer ao litoral em feriado prolongado.
Não precisamos de excessos para sermos felizes e eu, particularmente, não vejo a hora de conseguir aposentar e só ficar entrando/saindo de navios e conhecendo tudo que ainda não conheci até o momento.

Realização não é dinheiro. Realização é ter histórias para contar, sentar num bar ou padaria com amigos bebendo cerveja e rindo de coisas que aconteceram na vida, sem se preocupar no "não" que disse para um trabalho onde ficaria 10h atrás de um computador para ganhar 5 mil.

Caixão não tem gaveta e a única certeza é de que UM DIA iremos dormir de sapatos.